Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2020

Foucault e o Poder

Foucault afirmava que não há saber que não suponha e constitua, ao mesmo tempo, relações de poder. O pensador é queridinho das feministas, que se inspiraram em suas ideias para fabricar a mágica teoria universal dos muitos feminismos, que nega a existência de teorias feministas universais. O problema com a ideia de Foucault de que conhecimento e poder estão conectados é que a verdade científica, ou simplesmente verdade, se preferir, é profundamente limitante e desempoderadora pelo simples fato de não possuir proprietário. Se Einstein fosse vivo hoje e quisesse revogar sua Teoria da Relatividade, entenderíamos que ele está perdendo o juízo. Embora seja o autor, não pode simplesmente "desteorizar" a Relatividade. O poder que emana do conhecimento que produziu, de acordo com os valores científicos atuais, é nenhum.  Não é assim que Foucault enxerga o conhecimento. Supondo que a ciência médica diga que obesidade é um problema de saúde, por exemplo, você está oprimindo obesos c

Platão & Simone

Imagem
Platão possivelmente foi o primeiro antifeminista da história. O filósofo acreditava que a alma não tem gênero, e que as diferenças físicas entre homens e mulheres eram meramente incidentais. Sendo assim, pensava que mulheres deveriam ter acesso à classe dominante como os homens. Já Aristóteles era contra igualdade de gênero, e entendia que mulheres não deveriam governar. Como Sócrates só o que sabia era que não sabia, o que temos no placar dos pais da filosofia é 1/3 de machistas opressores, 1/3 de antifeministas e 1/3 de só sei que nada sei. Simone de Beauvoir não gostava de Platão. Seu desamor platônico pelo filósofo residia no fato de que Platão acreditava que, para que mulheres governassem, deveriam se submeter às mesmas exigências que se fazia dos homens para ter tal direito. Se fosse exigido treinamento militar de homens para que governassem, o mesmo deveria ser exigido de mulheres. Tal ideia é profundamente antifeminista, já que ser obrigada a fazer as mesmas coisas que hom

Feminismo Antifeminista

“O feminismo que defende simplesmente as mulheres pelo simples fato de elas serem mulheres é um feminismo fundamentalista e altamente antifeminista”. - Márcia Tiburi Há muitos feminismos, inclusive o feminismo antifeminista. Não dá pra entender eu sei, mas você não entende porque é homem. Tem que ser mulher pra entender. Só mulheres dizem não querendo dizer sim, talvez querendo dizer sim, dizem sim quando querem dizer não e talvez ao mesmo tempo, etc. As meninas não operam de acordo com as leis da lógica clássica, então a melhor maneira de entendê-las é fingir que não está entendendo nada. Quando eu digo que há algo de quântico no feminismo, o pessoal acha que estou de brincadeira, fazendo piadinha. O bagulho é sério, pô! Tá tudo filosofado, teorizado e equacionado pelas intelectuais do movimento. Na construção da teoria feminista, feministas tiveram que realizar diversos avanços nas áreas da epistemologia e da lógica. Elas conseguiram formular um conceito epistêmico avançado e inova

O Crepúsculo do Macho

Imagem
A cura da masculinidade tóxica, uma técnica projetada e patrocinada por feministas, que se arvoram donas do lugar de fala no que diz respeito ao que é ou o que deve ser masculinidade, consiste em convencer homens que masculinidade é uma doença, e que a única maneira saudável de existir para eles é emular comportamentos atribuídos ao estereótipo feminino. Isso sozinho já seria algo tóxico, mas a cura para a masculinidade tóxica vai além, e ensina homens que comportamentos do estereótipo masculino são tóxicos quando exibidos por homens, embora sejam virtuosos quando exibidos por mulheres. O que temos aqui é mais do que mera castração, é a aniquilação completa do indivíduo. O único órgão a ser atacado que conseguiria tal efeito emasculante é o cérebro, então o crepúsculo do macho* só pode ocorrer com a vaporização de sua capacidade pensante.  O processo de desconstrução da masculinidade, eufemismo para lobotomização do homem, pode ser observado com Claudio Serva, o paciente lobotomizado d

Vim relatar um assédio...

Imagem
Amiguinhos, vim por meio deste textão relatar um abuso do qual fui vítima. Não vou denunciar na polícia pois não é uma pessoa famosa. Quem sabe no futuro vira uma BBBete e eu me motive, mas como no momento não vou ganhar nada com isso, vou ficar só no desabafo mesmo. Estava eu em minhas atividades internéticas diárias quando fui atacado com essa mensagem no Messenger. Me senti invadido, violado, objetificado, um pedaço de carne sem agência e sem direito de dizer não. Fui desumanizado, reduzido a um parecer estético que não solicitei e que foi dado sem meu consentimento. A garota poderia ter elogiado minha nobreza, minha coragem, minha astúcia, minha inteligência, minha cultura, minha prosa, minha sagácia, minha perspicácia, minha coerência lógica, minha criatividade, meu humor, minha lucidez, minha integridade intelectual, minha crocância, minha malemolência, minha humildade, mas não. Me reduziu a uma caricatura sexualizada e unidimensional de pessoa. Não satisfeita em me ofender com e

Empoleiramento Quântico

A antropóloga Debora Diniz está prevendo que o mundo pós-pandemia terá valores feministas. Infelizmente não explicou muito bem o que isso quer dizer, então achei por bem esclarecer a questão e ajudá-la a descrever quais seriam esses valores feministas que vão caracterizar a sociedade caso passe a ser mais intoxicada por feminismo do que já está agora na era pós-corona: Solipsismo de gênero Diniz possui uma página com imagens artísticas homenageando mulheres que morreram em virtude do coronavirus. Feminismo é a ideia radical de que homens não são gente, então não é porque homens morrem mais de COVID-19 que vão ter espaço no memorial das manas no Instagram. Dizer que feministas não acham que homens são gente é um eufemismo, obviamente, já que para feministas, homens não existem. Sua vida, seus dramas e suas necessidades são coisas imaginárias. Homens, da perspectiva feminista, são entidades que só possuem existência concreta quando ocupam posições na sociedade que feministas invejam. 

Analista de Abobrinhas Aleatórias

Imagem
Foto de  George Morina  no  Pexels Um dos problemas com o Analista de Abobrinhas Aleatórias de Rede Social é, como próprio nome diz, a aleatoriedade. Caiu um meteoro com uma proteína dentro e a criatura já vira um astrônomo com PhD em Biologia Molecular. Israel instala um sistema de armas para se defender dos Palestinos e no instante seguinte ele incorpora um expert em balística anti-míssil e geopolítica. O que é necessário ressaltar aqui é que há leis da Física que garantem que a qualidade da análise de especialistas é inversamente proporcional ao número de assuntos em que são experts.  Outro problema é o amadorismo. Uma das coisas que analistas amadores não entendem é que o analista profissional, aquele com tarimba, que sabe o que está fazendo, jamais faz previsões antes dos fatos acontecerem. Previsão é coisa que se faz sobre o passado. Depois que fato já ocorreu e dados suficientes sobre ele foram produzidos, o verdadeiro expert se apresenta para nos contar o que evidentemente já s

Thinking like a Genius

Imagem
Quando determinado intelectual confirma todas as nossas opiniões, ele é um gênio. Imagine o quilate do cérebro do camarada que concorda conosco em tudo. Por certo é necessário muita inteligência e lucidez para conseguir tal façanha. O título de gênio é temporário, obviamente. Dura até que ele emita uma única opinião discordante. O coitado até aquele momento estava indo bem, mas pisou na bola, então temos que rebaixá-lo ao grau de jumento. Toda aquela clareza de pensamento era muito suspeita mesmo. Como podemos observar, o método que usamos para avaliar a genialidade dos outros revela que somos nosso próprio padrão de genialidade, já que os gênios são os que entendem exatamente o que entendemos sobre o mundo.  Felizmente não é preciso ser gênio para entender que algo errado não está certo, até porque o contrário também ocorre. Quando um indivíduo fala somente coisas com as quais não concordamos, ele é claramente um imbecil. Sua baixa capacidade intelectual fica cristalinamente demonstra

Pay Gap e Saúde Mental Feminina

Vou assumir que a matéria feminista da CNBC, que diz que o gap salarial de gênero afeta psicologicamente mulheres, tem crédito. Não deveria, já que oito em dez pesquisas sobre a realidade de gênero que feministas veiculam na mídia são problemáticas, por vezes totalmente mentirosas, e sobre as duas restantes não coloco minha mão no fogo pois não inspecionei ainda. Se de fato é verdade que o gap salarial de gênero tem efeito psicológico sobre a classe feminina, o que temos é comprovação do que já suspeito há bastante tempo, que o ativismo feminista na sociedade tem impacto negativo na saúde emocional de mulheres. De início podemos observar que não existem mulheres recebendo menos que homens para realizar o mesmo que eles, portanto mulheres traumatizadas com tal coisa não podem existir em razão de uma situação real. Uma cirurgiã cardiovascular que trabalha o mesmo número de horas, com mesma capacidade técnica e mesmo tempo no emprego que seu colega homem ganha o mesmo que ele. Inclusiv

Cara & Coroa

Imagem
De acordo com o raciocínio da culpa coletiva masculina promovida pela ideologia feminista, quando homens são obrigados a morrer em guerras, isso não conta como opressão masculina pois são homens obrigando outros homens a morrer. Como não conta como opressão masculina, também não conta como privilégio feminino. Pelo contrário, elas não enxergam sua proibição de ir para o front como privilégio, e sim como mais uma forma de opressão patriarcal.  Foto de  Joey Kyber  no  Pexels Supostamente mulheres não são autorizadas no front pois o patriarcado as considera o sexo frágil, e isso é opressão de gênero. Supondo que a situação não tivesse sido essa e mulheres fossem obrigadas a morrer no front, aí a descrição feminista da história seria outra, e elas diriam que isso é opressão de gênero porque mulheres são mais frágeis e não deveriam lutar, mas foram obrigadas por machos misóginos a fazê-lo. Faltou empatia com as meninas. Nem vou mencionar que muitas rainhas lideraram nações em combate, e ne