Bridgerton



É definitivamente curiosa a reação histérica de certos indivíduos quando são informados de que filmes de ação são um gênero masculino ainda que a protagonista seja mulher, portanto mulheres são minoria na audiência. Essa é a razão, inclusive, para dizermos que determinado gênero é masculino: a maioria da audiência é homem, a minoria é mulher, e o que sobra se divide entre os setenta gêneros restantes. 

Com 81,40% de público feminino, a série¹ Bridgerton (Netflix) é definitivamente uma atração for girls, mas curiosamente também, ninguém perde os floquinhos quando é informado de que homens não se interessam por romance. Bridgerton atualmente lidera o ranking das séries originais² no streaming com 3,1 bilhões de minutos assistidos, seguido ao longe pelo segundo lugar The Boys (Prime Video), com 744,40 milhões de minutos assistidos.

A série de super-heróis tem 65,5% de audiência masculina, portanto o que podemos observar é que The Boys¹ é for boys. O que você não observou, entretanto, é que número de homens assistindo Bridgerton é maior do que os que estão acompanhando The Boys, já que se aplicarmos as porcentagens ao número de minutos temos 620 milhões de homens-minuto para Bridgerton contra 483,86 milhões do The Boys.

O fenômeno Bridgerton, porém, é caso isolado, provavelmente facilitado pelo formato de streaming, já que histórias desse tipo teriam poucas chances de se destacar na tela grande. Blockbusters, ao menos nas duas últimas décadas, são na sua maioria action movies, ou seja, filmes para meninos. Na lista dos filmes com maior bilheteria³ de todos os tempos, poucas produções não são filmes de ação, e a maioria é protagonizada por homens. Os números mostram que o patriarcado é forte com o lado blockbuster da Força, o que explica o desespero histérico de Hollywoke com a situação masculinamente tóxica do mercado cinematográfico.

Ao aplicarmos o raciocínio percentual inverso de Bridgerton aos blockbusters, entretanto, a situação fica ainda mais tóxica. A saga Avengers, por exemplo, filão inesgotável de bilheteria que se esgotou nesta década, possui audiência média masculina de cerca de 60%, portanto escuramente é uma saga for boys. Ocorre que os 40% de audiência feminina de Avengers multiplicados por um caminhão surreal de dinheiro é muito mais dinheiro do que mulheres gastam com romance, um gênero para meninas. 

Como vemos, essa novela de filmes for boys e for girls é um assunto com mais nuances, emoções e drama do que o enredo de Bridgerton. Em termos relativos, somos levados a crer que mulheres preferem romance, mas em números absolutos o quadro muda de figura. Mulheres são a maior parte do público de filmes para meninas, entretanto, a história que Hollywoke esconde de você é que meninas na realidade querem ver mesmo é filme para meninos. 

Em outras palavras, mulheres estão mais interessadas em ação do que romance, coisa que você já deveria saber se estivesse prestando atenção. Com efeito, 50 Tons de Cinza, o clássico absoluto e definitivo da cinematografia feminina, está em 198º lugar do ranking das maiores bilheterias de todos os tempos, enquanto Avengers: Endgame ocupa a segunda posição. Isso significa que, se tivessem que escolher entre Tony Stark e Christian Grey, mulheres escolheriam o Tony Stark, um resultado que não deveria ser surpresa para ninguém. Afinal, só Hulk smash the Lullaby.

E é por isso que você não come ninguém, amiguinho. Não presta atenção. Quem não presta atenção, fica com o piu-piu na mão.

"Always mind your surroundings" - Ra's al Ghul





Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela