Vovô Richards

 

O NY Post noticiou¹ que os Gen Z estão paralisados com a ideia de envelhecer e ficar feio. Na cabeça dos zellennials, de acordo com o artigo, a vida bem que poderia acabar aos 22. Feio a maioria já é, então não sei qual a razão para todo esse pânico. Um velho feio é igual a um jovem feio, só que velho. Devemos reconhecer, entretanto, que a virada dos trinta, que se avizinha para os Gen Zezinhos, é realmente uma das fases mais  traumáticas da vida. 

É o momento em que não mais é possível empurrar a aborrecência tardia com a barriga e pretender que os anos nunca vão passar. Balzacas e Balzacos são obrigados, pela primeira vez na vida, a reconhecer que a juventude não só acaba, como já acabou, o que significa que agora você é oficialmente velho. Pior, não só é velho como ainda falta uma vida inteira para ter idade para estacionar em vaga de idoso, entrar em fila preferencial, andar de graça no busão ou se aposentar. É muita opressão. Muita. A vida é realmente injusta.

Esse é o período em que o sujeito começa a se alegrar ao ser chamado de tio na rua. Ufa! Se os pirralhos não estão chamando você de vô ainda, ainda há esperança. Como sempre, no fim ela morre, mas é a última. Como sempre também com a geração Z, eles provavelmente acham que esse tal de medo de envelhecer é uma moda que eles inventaram, algo que nunca existiu antes. O que mais poderia se esperar de uma geração que acha que protagonismo feminino no cinema começou em 2015 como produto original da sua cultura lacrosa e desconstruidosa? Não muito.

Os vikings não inventaram o medo de envelhecer, que é tão velho quanto a humanidade, mas com certeza sua cultura bélica de morrer na guerra para alcançar o Valhala nada mais é do que medo da velhice. Melhor a honrosa bravura de uma morte jovem em combate do que falecer um velho na cama, careca, desdentado, encarquilhado, flácido e defecando em fraldas. Odin nos livre desse inglório destino.

Robert Smith, vocalista do mítico The Cure, que fez sucesso nos anos 1980, declarou publicamente seu desdém à velhicidade ao dizer que iria se suicidar ele mesmo enquanto jovem aos 25. Algo deve ter dado errado, pois o Bob já está com 65 e até agora nada. Antes tarde do que mais tarde, então confesso que ainda estou aguardando que que ele tome uma atitude, mas acho que não vai rolar. Sem Valhala para esse menino. No implacável e cruel mundo das estrelas do rock, ou você morre jovem, ou vive o suficiente para virar a Tia da Sukita.

Tia, como falei, já é lucro, pois do jeito que a coisa anda, bem que poderia ser vovó. Lucro mesmo é o privilégio de poder ficar mais velho, coisa que aprendi com Keith Richards. De acordo com o guitarrista dos Stones, as pessoas querem viver para sempre, mas não querem envelhecer. Não fás centido. Ninguém vive para sempre, então o único consolo que resta é saber que Keith enterrará todos nós, razão pela qual a única coisa com a qual deveríamos nos preocupar é que mundo iremos deixar para o vovô Richards.

"Eu prefiro estar morto do que cantar Satisfaction quando tiver 45" - Mick Jagger

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela