A Diferença entre estar Certo e ter Razão

 


É doloroso assistir hordas de passadores de vergonha procurando uma vergonha para passar na minha página. Impressionam pela falta absoluta de originalidade, já que todos cometem exatamente o mesmo erro. Não sinto prazer vendo gente passar vergonha, embora não possa dizer o mesmo quanto aos que gostam de passar vergonha. Essa é uma categoria especial de asno ruminante que não merece a minha empatia.

Sempre pensei em fazer um manual sobre como não passar vergonha para ajudar os que procuram uma vergonha para passar a não encontrá-la. Isso exigiria um arrazoado básico sobre falácias e os métodos que usamos para produzir e validar teorias. É muita masturbação mental só para não passar vergonha, então tive a ideia de realizar a tarefa reversa, explicando o que não fazer ao invés de ensinar o que fazer. É insanamente simples. Observe a estrutura:

- X está errado porque Y

Fácil, prático e descomplicático. X é aquilo que eu escrevi - e não o que você pensa que escrevi - que você acredita estar errado, e Y é a razão pela qual você acredita que estou errado. Qualquer coisa que você fizer que não seja afirmar que X está errado porque Y, você já passou vergonha, e se insistir no erro vai passar mais vergonha. Nesse caso, não se preocupe. Se vergonha é o que você quer passar, eu ajudo. Tenho anos de prática ajudando gente que gosta de passar vergonha a passar mais vergonha.

Seguindo essa regrinha básica, não tem como passar vergonha. De posse da sua razão Y, agora estou em condições de analisar a validade de Y, e o processo restante nada mais é do que aplicar recursivamente a mesma regra do início. Em todo processo dialético honesto, não há perdedores. Ainda que os oponentes terminem em desacordo, vão encerrar com mais conhecimento do que possuíam no início, o que é, no fim, a razão de toda dialética. Ao terminarem, ambos os oponentes obtém no mínimo conhecimento a respeito das razões pelas quais cada um mantém suas crenças. 

Se você observar minha regrinha de perto, verá que ela é nada mais do que a definição de conhecimento, que é uma crença X suportada por uma razão Y. Quando você possui uma crença X suportada por uma razão válida Y, você tem razão, embora possa não estar certo, pois conhecimento para ser válido não exige que sua crença seja verdadeira. O contrário também é verdade. Se você possui uma crença X que não é suportada por nenhuma razão válida, isso não é conhecimento. Nesse caso, você pode até estar certo, mas não tem razão.

E essa é a diferença entre estar certo e ter razão. Estou certo ou tenho razão? Um bom fim de semana a todos.

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela