Mana Afegã

 

Feministas são desorientadas até no Afeganistão, conforme podemos ver nessa matéria desorientada do UOL¹, que usa a foto de uma militar em uma matéria sobre uma mana afegã para enganar otários. Há mulheres militares² no Afeganistão, que, por pertencerem às tropas do antigo regime, devem estar correndo perigo. O problema é que as únicas atividades perigosas que a mana desconstruída fez foi ter cursado universidade e ter trabalhado com estrangeiros. Há mulheres afegãs nas ruas protestando contra o regime, mas a guerreira da matéria está escondida em casa. Todos correm perigo no Afeganistão no momento, mas a probabilidade de ser executado ou preso pelo regime Talibã é múltiplas vezes maior para homens, especialmente militares ou indivíduos próximos da cúpula do poder político deposto. 

A jornalista da CNN³ na área foi tirada de contexto para fabricar um meme. Ela não disse que manifestantes nas ruas gritam morte à América, mas parecem pacíficos, ela disse que parecem pacíficos e isso é totalmente bizarro. Esse bizarro altera as coisas de forma bizarra. Por que homens estão na rua comportando-se amigavelmente enquanto gritam morte à América? Ora, porque estão com o cu na mão. O lugar mais seguro para homens no momento é nas ruas saudando a milícia Talibã e gritando morte à América para sinalizar apoio ao regime. Diferente de mulheres, eles não podem se dar ao luxo de sair às ruas manifestando não conformidade sem ser recebidos à bala, coisa que já ocorreu. Como de costume, quando homens se manifestam, eles deixam de ser homens e passam a ser rotulados como "manifestantes". Segundo a matéria⁴ da Veja, três manifestantes foram mortos e outros doze ficaram feridos, então já sabemos qual dos 72 gêneros todes esses indivídues declaram.  

Esse negócio de se camuflar gritando morte à América parece coisa de zumbi do seriado Walking Dead. Na série você podia juntar-se a uma horda de zumbis para se deslocar em segurança por aí, desde que se camuflasse com o cheiro deles e andasse como eles. Pensei então que podia ocorrer que humanos fossem aos poucos se juntando camuflados a uma horda de zumbis que transita na estrada para se deslocar, e os zumbis de verdade vão se perdendo pelo caminho. Após alguns quilômetros, só o que resta é uma horda de humanos otários fingindo ser zumbis que não descobriram ainda que todos na horda são humanos fingindo ser zumbis.

Se você entendeu essa horda de zumbis formada por humanos otários, entendeu como está a situação nos EUA com o politicamente correto. Ninguém mais atura essa porcaria, mas em todo lugar em que você vai, as pessoas evitam emitir qualquer opinião, pois não sabem se estão cercados por humanos ou por zumbis da horda. Ninguém mais sabe o que é permitido falar ou não, até porque o único critério do que é proibido agora parece ser alguém inventar alguma razão criativa e totalmente nova para não gostar do que você falou. Se você é negro, pode ofender um gay, se é gay, pode ofender uma mulher, se é mulher, pode ofender uma mulher trans, e assim por diante. Seria cômico, se não fosse trágico, mas como além de trágico, também é cômico, então é tragicômico.

O Talibã já chegou no Ocidente há bastante tempo, mas como você está ocupado demais fingindo ser um zumbi para não ser trucidado pela horda, nem notou. Pois então. Se fere minha existência, serei resistência!

Cu: quem tem, camufla.




Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela