The One Director

 

Assédio, para os que não entenderam ainda, é como chifre. Isso é só uma coisa que feministas colocam na tua cabeça, uma ilusão sem ótica, um cenário de fantasia virtual, um parlamento lotado de políticos honestos votando a revogação da Maria da Penha em pleno dia das mães. Enfim, é só um tonto do vigário para irlandês ver. Claro que só falar não adianta. Como sempre, eu gosto de assassinar o ofídio e apresentar o tacape, então no vídeo apresento a evidência número uma em um bilhão, padrão China Virus Export. Sem mais milongas, vamos à perícia da prova:

[00:07s]
Algo que poucos sabem é que mulheres não têm visão periférica, elas enxergam pela zoreia mesmo, porque não é possível. A piriguete já virou o rosto se rindo toda. Match em menos de 450 milissegundos. Lento, mas está na média. 

[00:10s]
Imediatamente após o match elas viram o rosto. Ficou com vergonhinha. Quando elas ficam com vergonhinha, você pode até não saber o que elas estão querendo, mas eu sei e não vou contar. A piriguete já viu que está estrelando a fita, então está se achando a Meryl Streep em A Escolha de Sofia. Aceita o papel antes de ler o roteiro porque já sabe que ganhou Oscar.

[00:12s]
Após esconder o rosto vem o segundo contato. Queixo baixo, olhar de soslaio, boca entreaberta, pupilas dilatadas e sorrisinho estilo louca que me coma. Não dá pra ver as pupilas no video, mas está na cara que nem precisa. O primeiro contato pode ter sido um alarde em falso, mas nesse instante temos a confirmação do que já está 100% confirmado há mais de quatro segundos. Se você não descobriu o que é ainda, não sou eu que vou revelar.  O relance é sempre bem mais demorado que o primeiro lance, a encarada é forte, decidida, e dessa vez não há pressa para virar o rosto. Não tem erro. Pode encerrar o take e mandar para estúdio adicionar a trilha sem hora e os efeitos espaciais.

Essa cena analisada pela perícia é pior que oi, pior que linda, pior que ô lá em casa, pior que chamar de gostosa. Gravar piriguetes em público trata-se de atividade creminosa que rendeu multa de U$ 10K nos EUA¹ para um incauto que nem mesmo publicou a produção no Tik Tok, apenas gravava cenas para uso pessoal. Mas por que essa piriguete do video não está com cara de quem vai chamar a polícia por ter sua privacidade ilegalmente invadida por um tarado? Simples. Quem está gravando esse video não é um pedreiro, um gari ou o Tio da Sukita, quem está na direção da película é o The One. 

Feministas dirão que essa cena é de exceção, a uma em um milhoa, mas isso é outro tonto do vigário. Todas são assim na presença do The One. Todas. Toda piriguete que diz que isso não é verdade ou está mentindo, ou não cruzou com o The One ainda. Para o The One não existe assédio, até mesmo o creme compensa. Esqueça Spillberg, Scrotese, Kurosawra, DJ Adams e Jack Snider. Quando o The One está Tarantino e dá um close no espaço sideral delas com sua Hasselblad H6D-400c ultra agadê de 100 megapixels mais telesubjetiva XCD f/1.9 80mm de pura gostosura, elas querem Oscar, Grammy, Globo de Ouro, Kikito, Palito, Pirulito e o que mais ele puder oferecer que seja de pegar, sentar, lamber ou chupar.

Se você nunca dirigiu uma cenas dessas por aí, nem se gaste a colocar foto no Tinder, pois é pura perda de tempo. Em app de romance, só quem leva prêmio são os Top 20 da Academia, mas você está nos Top 50 ou ladeira abaixo. Isso, entretanto, não é razão para desespero. Compra uma Ferrari que resolve. Vai conseguir dirigir alguma coisa com certeza, nem que seja um comercial pro Netflix. Para alguns, nem Ferrari resolve, mas isso é muito raro, mais raro que anão em enterro. Nunca vi nem conheço ninguém que tenha visto.

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela