Andrea Sugar

 No mundo há o Yin e o Yang, a causa e o efeito, ação e reação, feminine e masculine, sol e lua e várias outras duplas que se completam, como a p00t@ e o milionário. P00t@s tinham mais classe e dignidade no passado, especialmente as de alto padrão. Eram cultas, finas, inteligentes, socialmente desenvoltas, daquelas que você podia levar a um jantar com os amigos, apresentar como sua namorada e ninguém jamais iria desconfiar que ela locava o parquinho por temporada. Tudo isso é passado, um tempo de glória que não volta mais. As p00t@s agora estão virando feministas, como Andrea Heinz, do tweet abaixo.


Heinz é uma sugar p00t@ que arranjou um sugar pato que lhe oferece viagens, estadia em hotéis de luxo, restaurantes chiques, grana para torrar no shopping mais spa grátis para se recompor de toda essa sofrida atividade. A dura verdade é que nada disso foi de graça, já que o sugar pato é um agente do patriarcado que está ali com intenções escusas. Ele não deu todas essas coisas a ela porque é um cavalheiro gentil e generoso. Não, ele só fez isso porque queria usar e abusar da pobre e indefesa Andrea, que não tem chance de escolha nem liberdade para dispor do próprio corpo, portanto vai ter que dar. Como não teve escolha, foi obrigada a consentir que ele a estuprasse.

Não há mais detalhes no tweet, mas como é uma p00t@ feminista, é possível que ela vá reclamar que não gozou. Quando você dá consentimento para ser violentada e não goza, a violência é em dobro. Vejamos: não acha o clitóris, dá uminha mal dada, se acaba em trinta segundos, rola pro lado, dá dois peidos fedidos e em quinze segundos está roncando. Aí você fica lá, a ver navios, olhando pro teto e falando sozinha. É por isso que o patriarcado tem que acabar. É muita opressão. Muita.

A história de Andrea Heinz é o que podemos entender como exploração sexual do trabalho. O pato trabalha, dá viagens, hotéis de luxo, restaurantes caros, dinheiro pro shopping, spa e só o que ganha em troca é uma xereca chata de mau humor que só sabe falar em patriarcado, dizer que você é opressor, que homem é lixo, que está se sentindo usada, blá blá blá. Assim não há quem aguente. O melhor a fazer é terminar logo com aquilo de uma vez, ir dormir e deixar aquela jumenta falando sozinha, mas antes solta uns peidos que é para certificar-se que você manifestou sua insatisfação.



Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela