Passando o Xerecard

 

Regina Navarro é uma psicanalista especializada na área de sexologia, pós-graduada em chumbregologia sociológica e com um mestrado em xerecologia capivarética. De acordo com seu artigo no Universa¹, há cerca de cinco mil anos existia um sistema de parceria entre homens e mulheres, então a pepeca era grátis. Era só chegar e faturar, livre de taxas, burocracias ou outras exigências. Como homens adoram burocracia, eles sabotaram esse sistema para implantar o patriarcado, um novo tipo de organização social onde a mulher já não pode distribuir a perseguida de graça, portanto fica obrigada contra a sua vontade a cobrar por ela. Nessa nova realidade opressora, mulheres se viram forçadas a se defender com o que tinham à mão, por acaso, a perseguida, que usavam para controlar a sexualidade masculina e com isso obter presentes e favores.

Nenhuma novidade nova até aqui, mas a revelação bombástica nos é dada por Navarro logo a seguir. Ao que parece, mulheres ainda hoje usam sua periquita como moeda de troca. Tal atividade pode se manifestar de várias formas. Por exemplo, no primeiro encontro, quando normalmente elas já estão com a pexereca piscando, elas não dão de propósito só para prender o homem e assegurar uma relação. Outras usam a técnica de excitar o bofe até deixá-lo louco, apenas para negar a perseguida no último segundo. 
Abandoná-lo no cinco contra um na hora do desespero é uma técnica de submissão. Há também as que, durante relacionamentos, ficam regulando a pexereca, geralmente como forma de punição. Como podemos observar, capivarete que não é obedecida não libera a perseguida.

Bastante perturbador. É difícil crer que, em pleno século 21, em um mundo de mulheres independentes e empoleiradas pós-revolução sexual, há ainda as que se comportam como suas bisavós. Evidente que não vou acreditar em tal coisa assim facilmente. Como dizia Carl Sagan, afirmações extraordinárias exigem evidências extraordinárias. Resolvi então pesquisar o assunto no Youtube, já que todo mundo sabe que, hoje em dia, se não há um vídeo explicando no Youtube é porque não existe. Encontrei então um vídeo² da Mc Danny, Xerecard. Os versos são auto-explicativos: 

"Nós vai te patrocinar, mas tem que dar o xerecão (…) Lá no camarote eu tô bebendo à vontade / Traz a maquininha, que hoje eu passo xerecard"

De fato, extraordinário. É tudo que Regina Navarro descreveu e muito mais. Conforme relatado por Mc Danny³, é um hino feminista que fala sobre liberdade, e é baseado em, acredite, fatos reais. Desconfio que a mulher moderna quer se sentir livre, livre para continuar dependendo de dinheiro de macho pra tudo enquanto diz que não depende de dinheiro de macho pra nada. Parece uma boa estratégia. Se isso não é feminismo, não sei mais o que pode ser. O hit Xerecard bombou no Tik Tok, e hoje está entre os top 50 do Spotify, provando que há certas coisas que só Xerecard faz por você.

Xerecard - Uma Vagina de Vantagens

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela