Medo de Macho Alfa


 O bicho homem, aparentemente, é o animal que mais apavora a mulher moderna. Não qualquer homem, é claro. Estamos falando do perigoso e temível macho alfa, aquele que elas aprendem a temer desde a infância. Só capivaretes entendem a paranoia diária que sentem, visto que evidentemente não entendem que existe um oceano de diferença entre o risco de um evento ocorrer e o medo desse evento ocorrer.


Quando a questão é medo de violência sexual, por exemplo, 70% das vítimas estão na faixa etária dos 13 anos ou menos, e do total das vítimas, 70% é atacada por parentes, namorados e conhecidos¹. Esse não é o estereótipo da violência sexual que povoa os pesadelos de capivaretes, que imaginam que estupro é algo que ocorre majoritariamente com mulheres adultas na rua ou em uma trilha. Estatisticamente falando, mulheres estão mais vulneráveis e expostas à violência sexual em ambientes privados na presença de pessoas que conhecem do que balançando a raba na trilha de shortinho enfiado na busanfa delícia, mas elas vão ter medo da segunda situação, não da primeira, o que comprova definitivamente que medo de um evento e probabilidade desse evento ocorrer são duas coisas distintas. 

Por falar em shortinho enfiado na busanfa delícia, capivaretes fantasiam que correm mais perigo de sofrer violência sexual de shortinho do que vestidas de forma comportada. Em sua bolha de fantasia, elas fantasiam que fantasiadas de freira estarão lacradas contra as forças das escuridão. Jesus é meu pastor, e nada me estuprará. Ainda que eu ande pela trilha das trevas, não temerei mal algum, pois minha periquita está blindada. Isso é mais ou menos como usar alho para proteger-se de vampiro. Você pendura alho por toda a casa e nenhum vampiro aparece, o que obviamente prova a eficácia da sua blindagem contra chupadores de sangue. Bem que podia funcionar contra mosquitos e pernilongos, mas infelizmente só é eficaz para afastar vampiros. Que pena.

O fato é que, embora seja possível identificar o perfil da vítima de violência sexual, não existe correlação entre a roupa e probabilidade de ser atacada, como demonstraram feministas na Bélgica² em uma exposição de roupas de mulheres vítimas de abuso. Nenhum shortinho visível na mostra, apenas roupas dessas normais que mulheres normais usam para ir ao dentista, ao trabalho, na reunião de pais no colégio, etc. Estou falando das normais, já que há umas por aí que até para ir na padaria da esquina tem que estar vestidas para matar, coisa que fazem apenas para sentir-se bem, é claro. 

Parodiar feministas hoje em dia é impossível, mas, caso fosse fazê-lo, diria que essas feministas da exposição selecionaram as roupas que iriam usar com cuidado para diminuir o risco de sofrerem violência sexual no caminho de casa até a mostra que mostra que não há correlação entre roupas provocantes e risco de estupro. Afinal, não é porque a correlação não existe que você vai deixar de se prevenir. Não vou brincar que foi isso que ocorreu pois isso é o que provavelmente ocorreu, portanto não faz sentido exagerar a realidade como recurso cômico se a realidade é mais cômica do que qualquer esforço cômico que esteja ao seu alcance.

Esse print do medo de macho alfa é aquele tipo de comédia verídica impossível de superar com ficção. De acordo com o critério paranoico de fantasia da capivarete, um leão é mais perigoso do que um macho alfa. Isso significa que entre escolher uma trilha onde há um leão faminto e outra com o Henry Cavill, a capivarete, sem medo de ser feliz, entra na trilha onde há um leão. Hipoteticamente falando, ela corre o risco de ser comida nas duas, mas como o Cavill é muito perigoso e temível, a capivarete prefere correr o risco de ser comida pelo leão.

O que temos aqui não é mera paranoia, estamos entrando no terreno do delírio esquizofrênico. É absolutamente zero a probabilidade de que o Cavill vá querer comer essa capivarete em uma trilha, e mesmo que ele tivesse o desejo de fazer isso, a capivarete não iria ter tempo de fazer nada, pois assim que o Cavill souber que ela está na trilha, antes que ela tenha tempo de esboçar qualquer reação, o The Witcher deu uma de The Flash e fugiu há muito tempo. Entre uma trilha com uma capivarete lunática e outra com uma leoa, o Cavill com certeza escolhe ficar em casa. Zero risco de sofrer uma falsa acusação e ainda dá pra ficar jogando videogame com os amiguinhos.  

Com isso podemos concluir que o que mais assusta os homens nas trilhas não são os ladrões ou os assassinos, são as capivaras. Basta uma na área para apavorar um homem ou um grupo de homens. Só quem fica em casa jogando videogame sabe o risco diário que correm os que interagem com esses perigosos e temíveis animaizinhos.



Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela