Controle de Danos Culposo

 

O Intercept mais uma vez se supera ao escrever matéria¹ completa, inteiramente dedicada a controle de danos da sua mamadeira de piroca culposa. Ao invés de consertar o erro, voltam a insistir na validade do tretologismo e na narrativa de que a menina tinha fartas evidências para provar seu caso, e declaram-se paladinos do despertar brasileiro para o problema da violência contra as mulheres. Voltam outra vez a bater na tecla de uma afirmação que foi feita inicialmente pela promotoria, e não pela defesa, de que o acusado não tinha como saber se ela estava apta a consentir. Ora, se não tinha como saber, então isso não é nem mesmo crime culposo, visto que não há culpa. Estupro exige dolo, mas o réu não estava em posição de saber que a menina estava intoxicada com uma droga desconhecida, invisível e indetectável que a fazia agir normalmente, enquanto por dentro está uma casca, incapaz de tomar decisões e emitir consentimento informado.

“A expressão do Intercept sintetiza com perfeição como a justiça brasileira trata muitos casos de estupro. Todos os elementos e provas estão dados, mas o juiz entende que a mulher não merece justiça porque ela não foi ainda mais explícita sobre não dar consentimento durante o episódio. A expressão capturou um sentimento coletivo silenciado e deu voz a quem sequer sabia como falar.” - The Intercept Brasil

Ninguém é inocentado em um tribunal com argumento de que a mulher não foi ainda mais explícita sobre não dar consentimento, então aqui mentem descaradamente novamente e caem mais uma vez em contradição. Se você argumenta por estupro de vulnerável, não há que se falar em ser mais explícita na negativa, já que vulnerável é o indivíduo incapaz de exibir qualquer negativa. A partir do momento que existe a negativa, o que temos é sexo forçado, e não estupro de vulnerável que não estava em condições de exprimir sua vontade por estar inconsciente ou drogado.

Capturou o sentimento coletivo silenciado é coisa de gênio. Não estamos lidando com lacraias descerebradas de rede social, mas com gente graúda treinada em manipular a opinião pública. Nesse momento há um indivíduo insistindo após receber um não que será reconhecido como estuprador em potencial apenas porque fez um convite uma segunda vez. A menina foi treinada a entender que aquilo é a prova de que vive em uma realidade onde seu não é inválido e corriqueiramente desrespeitado. Em seguida vai andar na rua e observar outras evidências conclusivas de ataques à sua capacidade de consentir quando alguém olhar sua bunda sem o seu consentimento. Mais provas incontestáveis de que seu corpo existe para ser violado pela cultura patriarcal estupradora. 

Táqueopariu, sua millennial jumenta! Poderia por favor me explicar como é possível obter consentimento para olhar uma bunda? Errrr, por favor, senhorita… não seria possível obter permissão para contemplar suas nádegas enquanto você passa? E já que estou aqui, se não fosse incomodar muito, posso pedir consentimento para comer a sua pepequinha? Sou um homem desconstruído que respeita o consentimento feminino, portanto não vou tocar em você caso perceba o mínimo de alteração por qualquer substância, aguardarei para iniciar a cópula somente após um sim efusivo e continuarei aguardando sims efusivos no decorrer do intercurso sexual para garantir que você ainda têm o efusivo desejo de continuar.

Finalmente, depois de todos esses anos, eu fui entender por que nos filmes pornô da minha época as atrizes passavam do início ao fim da fita gritando efusivamente "yes, yes, yes, fuck me, please don't stop, fuck me, yes, fuck me hard, yes, yes!". O primo do vizinho do irmão de um conhecido meu já viu todos os vídeos do X-Videos, Porn Hub e Red Tube e me garantiu que nenhuma atriz hoje em dia fica o tempo inteiro gritando efusivamente yes fuck me. Isso significa que pornô hoje é um complô opressor do patriarcado para abusar de atrizes e ensinar os punheteiros a estuprar as meninas.

Evidente que não posso sair afirmando coisas assim levianamente, então terei que inspecionar pessoalmente esses videos na íntegra para checar a informação na fonte. Depois dessa vergonha da mamadeira de piroca culposa do Intercept, todo cuidado é pouco. 

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela