Hulk Smash the Piriquito

 

Hoje vou problematizar sobre o preconceito contra o batedor de punheta, já que isso é muito problemático. A geração dos punheteiros que me precedeu sofreu ataques severos. Contavam a eles que masturbação fazia crescer cabelos na mão, que podia causar demência e até mesmo cegueira. Nenhum punheteiro jamais se preocupou com isso, mas era só dizer que macho de verdade não bate punheta que a pirralhada se apavorava. Ninguém queria ser o punheteiro, então o cinco contra um rolava em recesso, escondido dos olhares de reprovação. Esse ataque aos direitos punhetivos do homem é um prática milenar que pode ser rastreada na gênese das religiões abraâmicas, que são o pano de fundo da cultura judaico-cristã no Ocidente. Vejamos:

“a mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher” (1 Coríntios 7:4)

Desde os tempos bíblicos, derrubar sua semente no solo é pecado. O criador do universo não gosta que você amasse a paçoca, então deu autoridade às mulheres para controlar o piu-piu dos homens. Para gozar tem que ser dentro da vagina. Mas e se o cara não casou ainda? Aguenta firme até o matrimônio. Mas e quando a mulher está com dor de cabeça? Azar o seu. Tá, mas quem sabe ela bate uma pra mim, talvez um boquetinho? Não. É proibido. Tem que ficar acumulando o bagulho no cérebro até que a mulher proprietária do seu piu-piu autorize o descarte daquela porra em local apropriado.

Feministas adoram falar da primeira parte da passagem, mas na segunda ficam pianinho. Mas por que ficam pianinho? Porque o que feminista mais gosta é cagar regra, portanto querem cagar regra até na sua punheta. Pensei que minha geração tinha dado o grito de liberdade e deixado para trás a tara por controlar o meu piu-piu durante a revolução sexual, mas é obvio que as feministas cagadoras de regra não iam deixar barato para os punheteiros. Radfems querem acabar com o pornô, acabar com revistas de mulher nua, acabar com as bonecas de silicone, já que pensam que com isso irão impedir que o bem-te-vi possa ser esgoelado, estabelecendo monopólio e controle tirânico sobre o seu piu-piu. Não vão conseguir. 

Em desespero, algumas afirmam que até o que você pensa na hora é estupro. Se você pensar na coleguinha pelada enquanto se masturba, isso é violência sexual. A coleguinha não autorizou o uso da imagem mental dela, então isso é violação de consentimento. Vá imaginar outra coisa. Sei lá, pensa no Batman na hora de esfolar o morcego. Outras são mais modestas e realistas, e querem controlar só a técnica que você usa para se masturbar, já que inventaram que a maneira com que o homem se masturba atrapalha sua performance sexual. Como podemos ver, elas não estão interessadas nem nos homens, nem na sua saúde mental, nem na sua liberdade sexual. O que elas querem é controlar o que você faz com o seu piu-piu para benefício próprio em todas as situações. Deixa meu caralho em paz, caralho. Se quiser se meter entre a minha mão e o meu caralho, aí o que temos é sexo. Nessa hora você pode ter opinião, mas se não vai rolar sexo, então não perturbe. Você não tem lugar de falo para tratar desses assuntos. 

Preocupe-se com a sua siririca. Na hora da siririca é aquela choradeira. Dizem que não se masturbam porque o patriarcado proíbe. Mas vai tocar siririca pra outra, criatura cheia de dedos. Até na hora da siririca ficam de vitimismo e mimimi. Nessas horas você entender porque a civilização foi erguida por homens. Quem produziu a esmagadora maioria dos avanços logísticos e tecnológicos que observamos? Ora, os punheteiros.
Indivíduos valentes o suficiente para esgoelar o bem-te-vi contra tudo e todos são capazes de qualquer coisa. Punheta é uma força imparável da natureza. Mesmo abaixo de perseguição milenar e tirânica, o cinco contra um nunca foi debelado, então não me venha com desculpinhas de não posso me masturbar porque o patriarcado proíbe.

Entender punhetas e siriricas é tudo que você precisa para entender a civilização humana. Entre humanos temos o grupo dos que não reclamam e estão tocando aquela porra adiante, e o dos que não se tocam e passam reclamando. Mas porque essas pessoas não se tocam? Haaa, querem que você faça o serviço por elas, porque sozinhas não se viram. Que dúvida.

E você? Já deu seu valente grito de liberdade hoje?


#bronha_livre
#Hulk_smash_the_piriquito

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela