O Cafajeste


Preferências médias da população feminina para parceiro são conhecidas. A maioria prefere o clássico modelo protetor provedor, que nada mais é do que a satisfação do seu instinto hipergâmico. Não é por acaso que mulheres consideram altura atraente em homens. Alguém mais baixo e fraco, por exemplo, não oferece proteção nenhuma. Isso seria como um tampinha querendo ser segurança da Ronda Rousey. Não há nada que ele possa agregar a ela em termos de proteção que ela já não possua sozinha. O tampinha é mais baixo, mais fraco, tem padrão financeiro inferior e com certeza é menos inteligente que ela, já que pra querer ser segurança da Rousey pode até ser destemido, mas é totalmente sem noção. Enfim, o tampinha é o famoso homem inútil. Não fode e ainda atrapalha. Nem pra sexo não serve. Se der bom dia é assédio, então some daqui, incel.

Cafajestes têm o perfil inverso do protetor provedor que a maioria das mulheres prefere, portanto não é possível sustentar a ideia de que a mulher média se sinta atraída por cafas. Talvez pudéssemos pensar no exemplo do traficante, que é perseguido pelas mulheres. Ora, um traficante é um pitbull Dark Side da favela, um protetor provedor top de linha, o caviar da área. Poderíamos também dizer que um traficante é um perigo. Ezatamêintchy. O grau de proteção oferecido é diretamente proporcional ao grau de perigo no caso do caldo entornar, o que obviamente não deve ser problema para uma Dollynete Dark Side.

Coloque um pitbull no seu quintal e ele vai, literalmente, colocar um leão para correr se tentar invadir sua casa. O cachorro vai morrer por você enfrentando um perigo sem piscar o olho, todo feliz que está vendo um monte de sangue. Ui, ki dilícia esse meu funeral. Vai pro Valhalla como um pitbull feliz: uma cara triunfante de satisfação e um braço na boca. Nem sabe de onde veio aquilo. Provavelmente pensa que achou no chão. Uma santa criatura. Dá um Oscar pra esse totó. Grau extremo de utilidade, mas lembre-se de não irritar o bichinho. Pitbull qué biscoito. Quando o pitbull qué biscoito, dá biscoitinho pra ele. Vai ser bom pra você também. 

Como podemos observar, meninas já vêm ao mundo equipadas com tudo que é necessário para adestrar seu pitbullzinho, que não é porque é um totó brabo e arteiro que é um cafa. Mulheres encantadas com cafajestes ou têm algum desvio de personalidade ou simplesmente deram azar de se apaixonar pelo cara errado, e não têm condições de abandoná-lo. Temos agora o famoso relacionamento tóxico, que pode acontecer com homens também. Basta se apaixonar por uma cafajeste, não ter estabilidade emocional suficiente para dar um pé na bunda, e agora você está encrencado com aquela fêmea de pitbull surtada no seu quintal.

Homem gosta de mulher cafajeste? Hummm... só se ele tiver preferência por feministas. Feministos são pitbullzinhos que não gostam de biscoito, eles preferem botas. Dá a botinha para ele lamber que ele abana o rabinho, late au au, deita, rola, não interrompe, não explica, finge de morto e finge que tem bolas. Ainda pede desculpas por ser bocó. Uma gracinha esse totó. Com certeza vai rosnar com cara de mau para você se falar mal da dona. Ui, ki meda dessa fera! Noffa... dá a sola da botinha pra ele lamber que logo se acalma.

* Na foto, à esquerda: Peter Dinklage, o Tyrion Lannister de Game of Thrones. Esse é cafa. Na direita não sei quem é. Deve ser a segurança dele.

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela