Dollynete

Hoje vou revelar uma terrível e nojenta verdade sobre os meninos que as meninas não sabem, e muitos dos meninos mais novos também não, porque isso é história do tempo do meu avô. Mulheres sabem que homens são menos seletivos que elas, mas o que elas não sabem é que menos seletivo é eufemismo, porque a seletividade masculina é regulada pela quantidade de sexo que homens têm à disposição. O bagulho é forte. Dependendo da secura, os meninos descem a um nível realmente escabroso.


Foto de Dan Hamill no Pexels

Como sabemos, antigamente não tinha isso de sexo antes do casamento, porque mulher nenhuma dava antes de casar. A única chance de transar que homens tinham antes de ir para o cadafalso eram bordéis, que, além de horrivelmente caros, não eram fáceis de achar. Como a maioria morava no campo, ficavam lá pastando naquele desespero desesperador da adolescência, que é quando o pirralho acorda de pau duro de manhã e o bicho só vai amansar à noite depois da décima punheta. Bons tempos. Estou falando da adolescência, não dos tempos do meu avô.

Aí o Juquinha está lá na fazenda, de bobeira, e quem ele encontra? Béééééé! A Dolly. Dollynete, para os íntimos. Assim que a Dollynete começa a olhar para ele de um jeito diferente, rola uma química automática entre os dois. O Juquinha jamais tinha olhado para a Dollynete antes, sequer teve alguma vez pensamentos impuros com ela, mas como naquele dia ele estava realmente na unha, começou a alucinar que a Dollynete era muito sexy, então acabou rolando um lance entre os dois ali mesmo na relva.

Pirralho sabe como é, né? Tem que contar para todo mundo que conseguiu comer alguém. A Dollynete não só é uma delícia, como dá fácil. Assim que a notícia cai na Rádio Galera, filas de pirralhos se formam na fazenda do Juquinha, todos querendo conhecer a Dollynete. A Dollynete, é claro, com aquela fila de pirralhos correndo atrás dela, está se achando a última bolinha fofinha de lã da fazenda. Fica sonhando que um dia vai casar com um dos pirralhos, mas não agora porque são muitos pirralhos, então ela quer se divertir um pouco com aquela pirralheira toda antes de virar uma Dollynete direita. Tadinha da Dollynete. Ainda não entendeu nada do que está rolando na fazenda do Juquinha.

Esse é o momento em que as meninas vão achar que já entenderam minha historinha metaforenta parabolística, que até já sabiam dessa tal de Dollynete. Vão achar que isso não tem nada a ver com elas porque seu padrãozinho é outro, portanto não são nem de longe uma Dollynete. É por isso que eu digo que as meninas não entendem nem o mercado sexual, nem a psique masculina. Toda mulher é uma Dollynete, porque Dollynete não é uma fêmea específica. Dollynete é uma posição relativa ao tamanho do tico do Juquinha, o cartão de crédito do Juquinha e a quantidade de tempo que o Juquinha está na unha.
Pra ser a Dollynete, só o que precisa é dispensar o Dollynho e ficar na fila dos Juquinhas. O Dollynho é apaixonado pela Dollynete, quer casar com a Dollynete e viver feliz pra sempre com a Dollynete, mas Dollynete não quer o Dollynho nem pra sexo porque está apaixonada pelos Juquinhas. Um dia o Dollynho vai conseguir um emprego, se estabilizar, e a Dollynete, cansada de ser abandonada na relva pelos Juquinhas, agora quer casar e vai finalmente dar uma chance para o Dollynho. 

É claro que o Dollynho vai achar o máximo a Dollynete correndo atrás dele. O máximo só se for pra sexo, porque todo Dollynho com situação financeira estável vira um Juquinha, e Juquinhas não casam com Dollynetes. Por que deveriam? Para o Dollyinho financeiramente estável, o mundo é um fazenda lotada de Dollynetes delícia alucinadas pra dar pra ele, um paraíso de chumbregância que ele nunca tinha visto na vida, então, antes de casar, se é que vai casar um dia, ele vai curtir a vida de pirralho que não teve e passar a tosa no rebanho. Essa é a hora que Dollynete vai ficar uma arara com o Dollynho, se sentir traída e desprestigiada. Calma, Dollynete. Só o que o Dollynho quer é dollynetar sem pensar no amanhã, que era exatamente o que a senhorita estava fazendo há pouco tempo atrás enquanto se divertia horrores na fila paradisíaca dos Juquinhas. A regra é essa: quem muito dollyneteia, termina dollynetada.


Foto de Brett Sayles no Pexels

Se estiver com muita pressa de romance, tem o Peppo. O Peppo quer casar, mas o Peppo a Dollynete não quer nem pra sexo. Haaaa, Dollynete... sempre na fila errada. Quando você concluir que o Peppo até que servia pra cobertor de orelha, essa é a hora em que o Peppo vai achar que nem pra sexo a Dollynete serve mais. Gatos, Dollyete. Compre gatos e vibradores. São um bom investimento.

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela