The Dark Knight Rises


Feministas estão surtando nos EUA pois um grande e crescente número de homens oprimidores de menininhas oprimidinhas pelo patriarcado oprimidor não querem mais saber de relacionamentos com mulheres woke, que não são exatamente o que pode ser entendido por feminista. Woke seriam as feministas muito lunáticas, então favor não confundir mulheres woke com feministas normais e moderadas, que são só as lunáticas padrão de fábrica.


Aparentemente homens são muito opressores e não querem perder seus privilégios machistas de classe opressora privilegiada, como por exemplo, o opressor privilégio de poder escolher onde você vai enfiar o seu pinto. Isso é muito misógino. Homens modernos já deveriam saber que seu piu-piu não é sua propriedade, e deve ser enfiado nos orifícios escolhidos pelas meninas na hora em que elas pedirem, nas condições que determinarem e com o correspondente depósito da taxa de uso da vaga de garagem, cujo valor e meio de pagamento também é determinado por elas. Qualquer solução alternativa a esse sistema de rola pública, gratuita e com cartão de crédito de qualidade é opressão de gênero, machismo e misoginia.

Não interessa se a mulher é surtada, arrogante, tirana, ideologicamente intoxicada com ideias paranoicas e sexistas, infiel, traiçoeira, peçonhenta e mal-agradecida. Não interessa se ela é perigosa e tem o Estado ao lado dela na hora em que decidir que vai acabar com sua vida com falsas acusações, além de não interessar também que ela ainda acha bonito e fashion tratar homens como vibradores com cartão de crédito, um utilitário sexual-monetário descartável que pertence a uma sub-classe de humanos pervertidos, malignos e obsoletos. Em outras palavras, não interessa se a mulher é feminista normal ou muito normal. É ela que manda no seu pinto, na sua vida afetiva, na sua conta bancária, nas suas ideias, nos seus valores, nos seus desejos e ainda se acha no direito de reclamar que tudo isso não é o suficiente. 

Esse negócio de ser bastante homem é machismo, porque não importa o que você seja ou faça, nunca é o bastante. Não basta ser capacho baba ovo castrado e pau mandado, pois isso é o mínimo. Tem que fazer mais que o mínimo para merecer o privilégio de poder implorar pela pexereca com melzinho delas e nada mais, já que só suas vaginas encantadas, que elas não tem obrigação nenhuma de fornecer, são mais do que homens merecem em troca do caminhão de coisas que são obrigados a oferecer além de um pinto mediano. Mediano entre os 20% de top rolas que elas estão de olho, porque para o resto não dão nem bom dia.

É muita opressão. Mal vejo a hora do patriarcado acabar, porque quando acabar, aí vai ser a hora que feministas vão finalmente conseguir o que querem: arranjar algo de verdade pra reclamar ao invés de ficarem chorando feito criança mimada sem bico porque a flalda tá cocô, o papá tá 2,34ºC abaixo da temperatura que elas querem, o pirulito não tem o calibre que elas gostam de chupar e ainda não ganharam aiFone Plãs novo esse ano de presente. É muita oplessaum. Muita. Muita mijojinia. Muito mashismo.

Estamos entrando em uma era sem precedentes na história da humanidade. Após os céus e a Terra terem sido movidos para que homens fossem convencidos de que são lixo e masculinidade é um câncer a ser eliminado da sociedade, parece que o lixo canceroso, em um último ato heroico de abnegação em prol do bem comum, vai se afastar voluntariamente de vaginas para salvar as pobres periquitas oprimidas de sua abjeta masculinidade tóxica e de sua incômoda e maléfica influência no mundo.

"You either die a hero, or you live long enough to see yourself become the villain" - Harvey Dent (The Dark Knight Rises, 2012)

Postagens mais visitadas deste blog

O Fardo da Mulher Extrovertida

Calabresa Fagundes

A Casada e o Shortinho

Iara Dupont

O Mundo de Cinderela